BAILADO DA ITAPOROROCA


Natal no ArtBrasil, Papai Noel Não vem...Quem vem?

BAILADO DA ITAPOROROCA, A Dupla do The Don's Sound System(Don Maths & Don Guto) mais uma vez convida a cena Feirense, a mais uma grande intervenção artística nos moldes da Cultura dos Sound System's em integração ao Movimento HIP-HOP.
Nessa 4ª Edição fecharemos o ano com muita boa música tocada pelos DJ's e Mc's da festa que vem resgatando a tradição da cultura das Discotecagens ...na Princesa do Sertão. Dessa vez beneficente em prol do Lar do Irmão Velho, o Bailado em clima natalino acontecerá em reunião junto aos convidados de honra que farão a pista de dança do ArtBrasi Bar Cultural Ferver no embalo das pedradas vinda dos Toca-Discos que ecoam.

A partir das 4 da tarde, poderemos presenciar uma intervenção artística de um crew de Grafitteiros, nos Muros do Bar Cultural, junto a produções de Video/imagens que serão projetadas na noite do baile, com as Audições clássicas de Reggae-Ragga/Dub, Dancehall, Rap, Brazilian/Afro Beats, Soul, Funk, Samba e Black Music.

Pois é a Partir das 20h, que a chapa esquenta, na noite de Natal, teremos um baile black frenético como nunca se viu antes nas discotecas de Feira de Santana, com a presença dos Dj's Leandro e Índio do VITROLA 71(SSA), - LAnçando Mix-Tape - Musica é Uhuru -

Efeito Zumbi - Grupo de RAP de Feira de Santana que também lança o disco novo, homônimo - http://tramavirtual.uol.com.br/efeitozumbi/


E finalizando com os anfitriões além da crew de DJ's de FSA, explodindo pedras num Set pesado de muita música Jamaicana, Ragga, Dancehall, Ska, Roots e grandes pedras da Black Music:

Roça Sound's , Dr Funkeinstein & The Dons - http://www.myspace.com/DONMATHS

PRA DANÇAR, CURTIR, RISCÁ, FAZER O BEM...EXPLODIR AS PEDRAS!
NÃO PERCAM!

NATAL NO ARTBRASIL PAPAI NOEL NÃO VEM!!

Quem vem?
BAILADO DA ITAPOROROCA (EM PROL DO Lar do IRMÃO VELHO)

Quem?

VITROLA 71, THE DONS, EFEITO ZUMBI, DR.FUNKEINSTEIN, ROÇA SOUND...

Quando?

25/12 /2010

Quanto?
:
Cr$5,00 + 1 kg de Alimento

Que horas?

16H- CREW GRAFITE , PRODUÇÃO DE IMAGENS

20H BAILE BLACK

Natal do Clube - 18 de Dezembro


O Feira Coletivo Cultural está comemorando um ano de existência. Foi um período de muita luta e atividades realizadas para transformar o cenário cultural de Feira de Santana, entre elas o Feira Noise Festival como ponto alto. Mas todo aniversário deve ser celebrado com festa. Por conta disso, o Natal do Clube marcará, no próximo dia 18 (Sábado), o encerramento dessa primeira temporada de atuação do grupo. 2011 vem aí!

Clube de Patifes completou 12 anos de estrada em 2010. Para uma banda independente, alcançar esta marca é, sem dúvida, algo a se festejar. A banda está em nova fase, revigorada, já com novo disco sendo pensado e shows marcados em 2011, como o Rock Cordel em Fortaleza e o Festival Panela Rock, também no Ceará. E, merecidamente, o Natal do Clube deve fechar tudo isso. MySpace: http://www.myspace.com/clubedepatifes

Confira as outras bandas que participarão do nosso Natal:

Aluga-se é uma grande referência do rock baiano. São 17 anos fazendo tributos a um dos maiores nomes do rock nacional, Raul Seixas, sem deixar de lado a veia autoral. Por estar há muito tempo sem vir a Feira, a banda promete divertir e emocionar o público em um show onde não será necessário gritar “toca Raul!”. Formação atual: Deja Marinho (vocal / guitarra base), Rafael Luz
(guitarra solo), Daniel (Mahalo) (baixo), Leo (bateria).
MySpace: http://www.myspace.com/bandaalugase


Camarones Orquestra Guitarrística é uma banda potiguar de música instrumental rock, mas que mistura elementos de ska, pop e surf music.
Criado no final de 2007 com o objetivo de fazer um som divertido e dançante, o grupo já tem dois EPs (“Corra, Cabron, Corra!” e “Tudojunto”) e um CD homônimo lançados. A principal meta da Camarones em 2010 foi a de circular pelo Brasil. Até o final do ano, terá feito mais de 70 shows nas cinco regiões do país e visitado mais de 30 cidades brasileiras. Para o início de 2011, a banda já organiza uma turnê pela América Latina e, no segundo semestre, uma grande turnê pela Europa. A banda estará em Feira de Santana pela primeira vez, trazendo um show que tem despertado bastante interesse do público por onde passa.
MySpace: http://www.myspace.com/camaronesorquestraguitarristica


O NATAL DO CLUBE – COMEMORANDO 1 ANO DE EXISTÊNCIA DO FEIRA COLETIVO

Quem toca: Aluga-se (Raul Seixas Cover) , Clube de Patifes e Camarones Orchestra Guitarrística (Natal - RN)
Onde: Botekin – Av. João Durval , S/N, Ao lado do Bingo Princesa
Quando: 18 de dezembro (Sábado), às 20:00
Ingressos: R$ 10,00 - Preencha a lista amiga e garanta desconto no ingresso no dia do show.

Lista Amiga do Natal do Clube

A lista amiga está encerrada, até o próximo evento do Feira Coletivo.

Grito Rock procura produtores para edição 2011

Ação do Circuito Fora do Eixo realizará o maior festival colaborativo da América Latina, ultrapassando a marca das 80 cidades

O Circuito Fora do Eixo lança a Campanha “Faça sua cidade gritar também! Promova o maior festival integrado da América Latina”, voltada à conexão de mais produtores para o desenvolvimento criativo da edição em diferentes cidades da América Latina. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas online entre 26 de Novembro e 11  de Dezembro.

O Grito Rock é um festival que acontece durante o Carnaval em várias cidades simultâneamente, com o foco na promoção de artistas independentes. Em 2011, o festival acontecerá de 25 de Fevereiro a 28  de março.

O projeto conectou em 2010 mais de 80 pontos, apresentou 500 bandas independentes, gerou a série Grito Doc - documentário colaborativo com 17 episódios distribuídos semanalmente pela Internet, e ainda desenvolveu as Campanhas Hospedagem Solidária e Transmita o seu Grito, ampliando ainda mais o seu público, que foi em torno de 50 mil pessoas espalhadas por todo o país.

Para a nona edição, a continuidade das campanhas já implantadas se fazem presentes, com a inserção de mais pontos produtores e mais cidades, inclusive espalhadas por toda América Latina, formando assim uma grande teia de trocas solidárias e conhecimento em prol da produção do maior festival em rede do mundo!

Os produtores selecionados contarão, a partir de dezembro de 2010, com a plataforma Toque no Brasil para facilitar a curadoria do seu Grito Rock, bastando a criação do seu perfil e a disponibilização de seu evento no TNB para os artistas se inscreverem.

Para participar é simples, basta ler o regulamento, preencher o formulário e estar disposto a integrar a Equipe do Projeto. Mais informações no site gritorock.com.br.

Dúvidas, mais informações e entrevistas em gritorock2011@foradoeixo.org.br


Compacto Rec Lança Vinil Laranja no mês de Dezembro


Último lançamento do Compacto.Rec em 2010, VINIL LARANJA é formada atualmente por Andro Baudelaire - voz e guitarra, Saul Smith - guitarra, Bruno Folha - baixo, e Netão Red – bateria. É uma das bandas paraenses que mais circula, já tendo participado de importantes festivais brasileiros como o Se Rasgum (Belém), Calango (Cuiabá), Ponto CE (Fortaleza), Dia Mundial do Rock (Macapa), Quebramar (Macapá), e do Gritos Rocks de Rondônia, Cuiabá e Ji-Parana. Em março de 2009, a Vinil foi a primeira banda do Pará tocar no festival South by Southwest, em Austin, Texas, permanecendo nos Estados Unidos por três meses para fazer novos shows e contatos. Criada em 2004, a banda lançou dois anos depois o primeiro CD, Vinil Laranja, pelo selo Ná Music. Em 2008, o single “Shoot the little sister” dava uma prévia do que seria o segundo CD, “Unfaceless Bride” de 2009. E com participação especial do baterista Ivan Vanzar, da Madame Saatan, a Vinil apresenta seu terceiro disco, “If She Ask”, com lançamento nacional através do Compacto.Rec!

A Vinil já tem dois videoclipes. “Unfaceless Bride” foi produzido pela TV Cultura do Pará em 2009, e exibido em rede nacional pela MTV Brasil. Já “Woman” foi gravado por Saul Smith durante a turnê nos Estados Unidos, documentando a viagem e os shows. Em junho de 2010, a Vinil foi a protagonista do terceiro minidocumentário da série Megabanda, gravado em pleno arrastão do Arraial da Pavulagem, no centro histórico da capital paraense. Em 2008, venceu com “Stay Forever” o CCAA Fest, festival de Belém do qual participavam 92 bandas.



COMPACTO.REC

O Compacto.Rec é um projeto de lançamento mensal de álbuns virtuais em rede, com o objetivo de estimular a circulação e distribuição de bandas da cena independente brasileira. Os agentes que integram a equipe são oriundos dos mais distintos lugares do país que, através da internet trabalham em conjunto executando toda a pré-produção do Compacto.Rec: uma compilação com músicas, letras, release, fotos, vídeo, banners e avatares, que são divulgados em todos os veículos de comunicação integrados ao Circuito Fora do Eixo.

Esse ano o Compacto.Rec trouxe diversos lançamentos que deram ênfase ao projeto, como a paranaense Nevilton, a mineira Uganga. Deu destaque a Coletânea Grito Rock América do Sul 2010, lançou o primeiro material solo do Jair Naves, ex-Ludovic, realizou no mês de outubro seu primeiro lançamento internacional com o álbum “YYY” da banda Falsos Conejos de Buenso Aires (ARG) e recentemente foi contemplada pela Bolsa Funarte de Reflexão Crítica e Produção Cultural para Internet.

A Banda

A Vinil já tem dois videoclipes. “Unfaceless Bride” foi produzido pela TV Cultura do Pará em 2009, e exibido em rede nacional pela MTV Brasil. Já “Woman” foi gravado por Saul Smith durante a turnê nos Estados Unidos, documentando a viagem e os shows. Em junho de 2010, a Vinil foi a protagonista do terceiro minidocumentário da série Megabanda, gravado em pleno arrastão do Arraial da Pavulagem, no centro histórico da capital paraense. Em 2008, venceu com “Stay Forever” o CCAA Fest, festival de Belém do qual participavam 92 bandas.
Seu som apresenta influências de Queens of the Stone Age, The Beatles, System of a Down, Blink 182, Elvis Presley, Nirvana, Foo Fighters e Smashing Pumpkins. Todas suas músicas são em inglês. A Vinil Laranja integra o Coletivo Megafônica, Ponto Fora do Eixo de Belém.


O DISCO

O EP de seis musicas intitulado “If She Ask,” saiu do forno e mostra a bem vinda evolução no som dos garotos do Vinil Laranja. Depois do elogiadíssimo “Unfaceless Bride”, a banda aparece madura e coesa. É o que se sente á primeira audição de Tharuell . Início em Low Fi com Andro e sua semi-acústica naquilo que sabe fazer bem: uma boa melodia, que depois explode em rifles bem costurados e viscerais. Little Douce entra com energia e culmina num ótimo refrão pesado, característica evidente em várias musicas da Vinil.
JxH chega pra mostrar o VL que todos conhecem, guitarras com o drive no talo, letras que exploram dois extremos da psique humana: a maldade e a bondade, fazendo uma analogia com 2 grandes mitos da história, nas figuras de Jesus e Hitler. Com o ótimo “semi-hit” So Exciting, regravado do primeiro álbum da banda, fica notória a evolução da banda em todos os sentidos. Destaque para belo solo de Saul Smith.
My Baby Is My Gun tem mudanças de rítmo bem inusitadas e mostra que a cozinha de Bruno Folha e Netto 2T tem funcionado de forma bem eficiente. “If She Ask“ termina de forma calma com a doce melodia de Don’t look Inside The Pocket, uma grata surpresa, mostrando Andro em um take voz e violão. Esse é o Vinil Laranja, surpreendendo quando se menos espera.

BAIXE O DISCO: WWW.COMPACTOREC.FORADOEIXO.ORG.BR

Noite Fora do Eixo terá Maglore, Os Barcos e Casa de Vento




Mais uma turnê do Circuito Fora do Eixo chega ao Nordeste e passa por Feira de Santana. Depois da argentina Falsos Conejos e da pernambucana A Banda de Joseph Tourton, que se apresentaram na Ressaca Feira Noise, é a vez das bandas Maglore (Salvador) e Os Barcos (Vitória da Conquista) tocarem por aqui, participando da primeira edição da Noite Fora do Eixo ao lado do grupo local Casa de Vento. O show - o segundo da excursão Novíssimos Baianos – acontecerá dia 03 de dezembro, a partir das 20h, no Antiquário Pub.

Surgidas ao longo dos últimos dois anos, Maglore e Os Barcos são consideradas duas promessas do rock regional, cheias de potencial para arregimentar fãs no Brasil inteiro. Não só pela qualidade das composições, mas principalmente porque soam acessíveis. Conseguem unir autonomia de criação e grande apelo popular, e eis o porquê de o jornalista Luciano Matos (site El Cabong) tê-los batizado como os “Novíssimos Baianos”. A Casa de Vento, com nova formação definida, repertório próprio e agenda movimentada, bem pode se enquadrar na mesma denominação.

A escolha de bandas tão competentes, a propósito, funciona como um cartão de visitas das Noites Fora do Eixo. Muitas outras noites de boa música alternativa virão em 2011, por iniciativa do Feira Coletivo Cultural. O objetivo é que os eventos ocorram em frequência quinzenal, a fim de inserir a cidade no mapa das turnês que a rede Fora do Eixo vem viabilizando desde 2009. Com o apoio, procura-se fortalecer, incentivar e dar sustentabilidade à cena independente, algo que seria impraticável se não houvesse intensa comunicação entre os diversos coletivos do país, no intuito de construir uma cultura de auxílio mútuo.

Na inauguração desse projeto em Feira de Santana, o público terá a oportunidade de reencontrar a Maglore após o sucesso no Feira Noise Festival. O som, um rock deliciosamente pop, promete ser certeiro novamente. O mesmo se pode aguardar quanto à conquistense Os Barcos e seu pop/rock que empreende um flerte maleável com o jazz. Na Casa de Vento, onde se ouve um rock feirense-britânico tão forte quanto melancólico, vale a pena se hospedar. E quem o fizer não vai se arrepender.

Casa de Vento: http://www.myspace.com/casadevento

Turnê Novíssimos Baianos
Quem toca: Maglore (Salvador) e Os Barcos (Vitória da Conquista)
Onde e quando: 02/12 – Vitória da Conquista (BA), 03/12 – Feira de Santana (BA), 04/12 – Salvador (BA), 05/12 – Camaçari (BA), 06/12 – Aracaju (SE), 08/12 – Recife (PE), 09/12 – Recife (PE), 10/12 – João Pessoa (PB), 11/12 – Campina Grande (PB), 12/12 – Natal (RN)

Noite Fora do Eixo
Quem toca: Maglore (Salvador), Os Barcos (Vitória da Conquista), Casa de Vento (Feira de Santana)
Onde: Antiquário Pub – Rua General Mendes Pereira, 202, Ponto Central – Feira de Santana (BA)
Quando: 03 de dezembro (sexta), às 20h

DEZEMBRO RECHEADO DE SHOWS

NOITE FORA DO EIXO:

Quem toca: Maglore (Salvador), Os Barcos (Vitória da Conquista), Casa de Vento (Feira de Santana)
Onde: Antiquário Pub – Rua General Mendes Pereira, 202, Ponto Central – Feira de Santana (BA)
Quando: 03 de dezembro (sexta), às 20h

Clique aqui e veja o Cartaz

DOMINGO DE COVERS

Quem toca: Gabba Gabba Hey, Zeppelin Rock e Monochrome
Onde: Botekin – Av. João Durval , S/N, Ao lado do Bingo Princesa
Quando: 05 de dezembro (domingo), às 16:30h

Clique aqui e veja o Cartaz


O NATAL DO CLUBE – COMEMORANDO 1 ANO DE EXISTÊNCIA DO FEIRA COLETIVO

Quem toca: Aluga-se (Raul Seixas Cover) , Clube de Patifes e Camarones Orchestra Guitarrística (Natal - RN)
Onde: Botekin – Av. João Durval , S/N, Ao lado do Bingo Princesa
Quando: 18 de dezembro (Sábado), às 20:00

ROCK ENTRE AMIGOS

Quem toca:Cidadão Dissidente, Blas Fêmia (Vitória da Conquista), Ultimo Grito (Simões Filho), AmbulatórioFSA e Flower
Onde: Espaço Bar – 1° Andar (Ao lado dos Colchões Triunfo) –Sobradinho
Quando: 18 de dezembro (Sábado), às 19:30

Clique aqui e Veja o Cartaz

SEMINÁRIO 18 ANOS DO AMÉLIO AMORIM: O QUE TEMOS PARA FALAR? REFLEXÕES SOBRE A CULTURA EM FEIRA DE SANTANA.



Um Centro de Cultura é uma área que reúne manifestações culturais de diversas formas. É um local aberto à população e tem como objetivo reunir pessoas interessadas em cultura, manter um constante incentivo à criação e a descoberta da arte e da cultura, difundindo-as entre a população.

As atividades realizadas num centro cultural não devem ser aceitas passivamente, devem ser discutidas, dialogadas conjuntamente entre o gestor do Centro e o público a que ele se destina. A construção de um centro de cultura é uma decisão política que deve partir de um desejo comum e deve ser discutida pela parte da sociedade, que de certa forma estará ligada a ele.

É nesse sentido que alguns artistas, grupos residentes do Centro de Cultura Amélio Amorim e produtores culturais decidiram se fortalecer enquanto um coletivo capaz de articular políticas culturais direcionadas para gestão do Centro de Cultura, tornando-o adequado às reais necessidades da população feirense. Para tanto, viabilizaremos uma discussão no 1º Seminário a ser realizado nos dias 01 e 02 de dezembro de 2010, às 18:30h, no Centro de Cultura Amélio Amorim em Feira de Santana, cuja temática será:

18 ANOS DO AMÉLIO AMORIM: O QUE TEMOS PARA FALAR? REFLEXÕES SOBRE A CULTURA EM FEIRA DE SANTANA.

Serão dois encontros conduzidos pelos ativistas culturais convidados, Bel Pires (IMAQ) no primeiro dia de discussão, cujo objetivo será realizar um diagnóstico do Amélio Amorim, percebendo qual a sua importância para a cidade e como a sociedade o enxerga; e no segundo dia por Ana Vaneska (Coordenadora do Cine-Teatro Plataforma/ Salvador), com o objetivo de apresentar a experiência da Gestão participativa em Plataforma como um modelo a ser conduzido. O que se pretende com este seminário é alcançar um maior contigente de artistas, grupos e produtores culturais para a construção deste modelo participativo de gestão cultural.

Por isso, contamos com você sugerindo e discutindo um centro de cultura de todos e de todas, depositando nele a identidade da cidade de Feira de Santana.


SEMINÁRIO 18 ANOS DO AMÉLIO AMORIM: O QUE TEMOS PARA FALAR? REFLEXÕES SOBRE A CULTURA EM FEIRA DE SANTANA.

01/ 12/ 2010 - Diagnóstico do Amélio Amorim: Qual a importância do Centro de Cultura na cidade e como a sociedade o enxerga?
HORÁRIO: 18:30 horas
LOCAL: Centro de Cultura Amélio Amorim
CONDUTOR: Bel Pires – função IMAC

02/ 12/ 2010 - Experiência da Gestão participativa em Plataforma - Salvador.
HORÁRIO: 18:30 horas
LOCAL: Centro de Cultura Amélio Amorim
CONDUTORA: Ana Vaneska – Coordenadora do Cine-Teatro Plataforma



Turnê Novíssimos Baianos passa por Feira de Santana



Tomando como exemplo as turnês já realizadas pelo Circuito Fora do Eixo, estas que tiveram recordes de público e de estados que as receberam, em dezembro saem pelo Nordeste duas bandas que são consideradas as promessas de 2011 para a Bahia e para toda a América Latina. Uma advinda da capital Salvador e a outra da suíça baiana, Vitória da Conquista. Maglore e Os Barcos, respectivamente, lançam-se na estrada para realizar uma série de apresentações que passarão por boa parte dos estados nordestinos com a turnê Novíssimos Baianos.
O nome “Novíssimos Baianos” vem do jornalista Luciano Matos, do site El Cabong, de Salvador, que colocou Os Barcos e a Maglore no rol de artistas que ocuparão o lugar de uma famosa banda já extinta, os Novos Baianos. Elas fazem parte da atual safra de músicos que se desponta como a promessa da música do nosso estado, do nosso país.
Os Novíssimos Baianos começam a turnê em Vitória da Conquista, no dia 2, e sobe passando por Feira de Santana, Salvador e Camaçari, ainda na Bahia. Depois, saem do estado e seguem para a capital sergipana e sobe mais um pouco para fazer dois shows em Recife, duas na Paraíba e finaliza com o show no Rio Grande do Norte, em Natal, no dia 12 de dezembro.
Formada em 2009, em Salvador, a Maglore, propõe a sinestesia musical entre cores e sons, trazendo elementos musicais de vários cantos do mundo. A banda mescla a espontaneidade da música popular brasileira com a classe do rock britânico, aliados a letras sinceras. O resultado disso é um rock tropical.
A Maglore começou a sua bem-sucedida carreira com Cores do Vento, seu primeiro EP e disparou tocando em vários eventos como o Festival FUN MUSIC (SP) e o Desafio das Bandas (BA). A banda também venceu o iBahia Garage Band, através de votação popular, que rendeu uma apresentação no Festival de Verão Salvador 2010. Nery Castro, Teago Oliveira, Leo Brandão e Igor Andrade formam a Maglore que produz um som que contagia a todos, de várias tribos, com a mesma intensidade.
Ao lado dos soteropolitanos, apresenta-se Os Barcos. Fundada em 2008, com integrantes de Poções e Vitória da Conquista, ambas cidades baianas, a banda produz um som de alta qualidade, com letras e melodias gostosas de ouvir, o que fez com que sua música fosse reconhecida em todo o estado. O nome da banda é em alusão há um escrito de Fernando Pessoa que diz que: “Navegar é Preciso; Viver não é preciso”, no qual o autor escreve que viver não é necessário; o que é necessário é criar. Sendo assim, entende-se cada componente como um barco em meio ao caos, navegando em busca de um anti-adoecimento, uma espécie de movimento poético de linhas de fuga.
Marx, Netinho, Ivan e Fernando acabaram de gravar o primeiro CD d´Os Barcos de forma independente, e sofre influências de diversas vertentes musicais, entre elas, o Rock e o Jazz, além das mais variados formatos artísticos. A galera já aportou em grandes festivais como o de Inverno da Bahia, o Conexão Vivo e o Conexão Vivo na Sala do Coro.
As turnês do Fora do Eixo tiveram início no ano de 2009 e durante todo o ano e no ano seguinte, firmou-se como uma forma alternativa de circulação de bandas que envolve não somente as bandas participantes em si, mas também, casas de shows, produtores, comunicadores e toda a Rede Fora do Eixo.

Datas do show:
02/12 – Vitória da Conquista (BA)
03/12 – Feira de Santana (BA)
04/12 – Salvador (BA)
05/12 – Camaçari (BA)
06/12 – Aracaju (SE)
08/12 – Recife (PE)
09/12 – Recife (PE)
10/12 – João Pessoa (PB)
11/12 – Campina Grande (PB)
12/12 – Natal (RN)

OS SOPROS DO RETORNO

Mais sólida que nunca, banda Casa de Vento se apresenta no Art Brasil e no Antiquário neste final de semana


Quem presenciou a segunda noite de atrações musicais do Feira Noise Festival 2010 teve a chance de conhecer de perto o trabalho de uma banda cuja qualidade mais notável é o enfoque numa proposta peculiar dentro do cenário do rock local. Agora com novo nome e nova formação, a Casa de Vento – antiga Simples Mortais – continua apostando nas influências do rock inglês para forjar o próprio DNA e ganhar espaço pelo circuito indie afora. Para isso, é natural que depositem também algumas fichas nos palcos, onde Josh (vocal), Esteves (teclado) e Filipe (contrabaixo), Cordeiro (guitarra) e Marcelo Miranda (bateria) conseguem incrementar o potencial climático das composições já gravadas e disponíveis no MySpace. Alguém duvida? Os shows a serem realizados no Bar Art Brasil (sexta-feira, 19) e no Antiquário Pub (sábado, 20) darão ao público a certeza de que os elogios se justificam inteiramente.

As mudanças no line-up marcam um período de estabilidade. Após a chegada de Cordeiro e Marcelo Miranda, as afinidades e objetivos se acentuaram. Elaborar um repertório de qualidade, calcado em músicas autorais e permeado de alguns covers, constitui a meta principal do quinteto. Além disso, como é de se esperar dos rockers, pretendem sair em turnê tão logo se organizarem pessoal e profissionalmente para a empreitada. E ainda planejam registrar no próximo ano mais três ou quatro canções em estúdio. Segundo Cordeiro, um momento essencial de descoberta e aproveitamento dos arcabouços de cada integrante.
A escolha do nome atual simboliza o início de uma trajetória em que tudo flui decididamente melhor. Poucos foram os que prestaram atenção à Simples Mortais em 2009, mas bastou uma apresentação de sucesso no Feira Noise para que a Casa de Vento conquistasse tanto os aficionados pela sonoridade britânica pós-Radiohead quanto os fãs de Los Hermanos e derivados. Desde então, as apresentações ao vivo são mais frequentes, alcançando a média de uma por semana. Nada mal, uma vez constatadas as precariedades do painel feirense de produções culturais alternativas.

Esse fase próspera, que coincide com uma maior mobilização de grupos – dentre os quais se firma o Feira Coletivo – interessados em juntar forças e promover a cultura em suas diversas esferas, representa um renascimento geral. É uma nova perspectiva àqueles grupos e artistas-solo que queiram começar e recomeçar na estrada íngreme da música independente. Sempre há tempo, e é quando se ouve canções do naipe de “A Revolução dos Bichos” e “A Letra A” que a esperança se fortalece. Vida longa à Casa de Vento.

Por Ana Clara Teixeira

Lançamento - Diego e o Sindicato

Compacto.Rec lança Diego Morais e o Sindicato

O Compacto.Rec, em mais uma edição apresenta nesse mês de novembro o lançamento do disco “Parte de nós”, primeiro álbum de Diego Morais e o Sindicato de Goiânia.

Diego Morais iniciou sua trajetória na musica como baterista tocando em algumas bandas em Senador Canedo, município vizinho à Goiânia. Em 2006 Diego começou a tocar suas próprias composições e, juntamente com a sua irmã, fez uma série de apresentações pela cidade. Em 2007 venceu o concurso TACABOCANOCD e como prêmio o gravou um Ep chamado Reticências..., lançado no mesmo ano pelo coletivo Fósforo Cultural, e foi nesse momento que encontrou o Sindicato e se reuniram para um único show, e desde então permanecem juntos. Também em 2007 participaram de um concurso promovido pelo site TramaVirtual em parceria com a Revista Capricho, que lhes rendeu a gravação de uma faixa nos Estúdios da Trama. Desde então Diego de Moraes e O Sindicato já se apresentaram em grandes festivais, como a Virada Cultural, em São Paulo, os Festivais Goiânia Noise, Bananada e Vaca Amarela em Goiânia, além de terem tocado no Jambolada, em Uberlândia e nos festivais Calango (Cuiabá – MT), Móveis Convida (Brasília – DF), Varadouro (Rio Branco – AC), Feira da Música (Fortaleza-CE), e firmaram-se como um dos mais criativos grupos da cena independente nacional.

COMPACTO.REC

O Compacto.Rec é um projeto de lançamento mensal de álbuns virtuais em rede com o objetivo de estimular a circulação e distribuição de bandas da cena independente brasileira. Os agentes que integram a equipe são oriundos dos mais distintos lugares do país que, através da internet trabalham em conjunto executando toda a pré-produção do Compacto.Rec: uma compilação com músicas, letras, release, fotos, vídeo, banners e avatares, que são divulgados em todos os veículos de comunicação integrados ao Circuito Fora do Eixo

Esse ano o Compacto.Rec trouxe diversos lançamentos que deram ênfase ao projeto, como a paranaense Nevilton, a mineira Uganga, deu destaque a Coletânea Grito Rock América do Sul 2010, lançou o primeiro material solo do Jair Naves, ex-Ludovic, realizou no mês de outubro seu primeiro lançamento internacional com o álbum “YYY” da banda Falsos Conejos de Buenso Aires (ARG) e recentemente foi contemplada pela Bolsa Funarte de Reflexão Crítica e Produção Cultural para Internet.

O DISCO

“Parte de Nós” é o disco de estréia de Diego e o Sindicato e apresenta canções que foram experimentadas pelo grupo desde a sua formação em 2007, e experimentação é, de fato, a melhor palavra para descrever a criatividade das musicas do álbum. Com uma sonoridade que varia da psicodelia ao folclore, explorando micro-temas e sensações musicais que remetem do pop ao caipira, “Parte de nós” são muitos pedacinhos de sons universais organizados por bricolagem num belo mosaico musical.

As 12 faixas do cd transitam pelos mais variados ritmos e timbres e foram gravadas no estúdio Loop, em Goiânia, com produção de Eduardo Kolody e Rogério Pafa. O disco contou com a participação de Astronauta Pinguim e teve o apóio da Lei Municipal de Cultura.


Baixe o disco: www.compactorec.wordpress.com


Ressaca do Feira Noise

Algum personagem de quem hoje pouco me recordo objetivamente me alertou – sem se equivocar – que uma banda sempre se revela já na passagem de som, por mais enfadonha que esta possa ser e por mais inclassificável que pareça o direcionamento assumido pelos músicos. A pernambucana A Banda de Joseph Tourton, primeira atração a se apresentar na Ressaca Feira Noise Festival, gritou a que veio com o antológico riff de "Iron Man", do Black Sabbath. É certo que escolha melhor não poderia haver. No entanto, engana-se o leitor se acaso me imagina, neste momento, diante de uma banda de heavy metal. Ou de hard rock. Ou de stoner.
Para além de quaisquer denominações simplórias, A Banda de Joseph Tourton talvez represente como nenhuma outra a alma do Feira Noise Festival, cuja diversidade foi de encontro ao senso comum de muitos que lhe atribuíram a alcunha de “festival de rock”. Impor um rótulo ao quarteto instrumental em questão ou mesmo enquadrá-lo numa categoria específica ser-me-ia tão constrangedor quanto sustentar essa visão restrita do evento. Não é isso o que os integrantes desejam, suponho. Tampouco esta humilde observadora o quer. O mesmo posso afirmar do público, que às 21:30 ingorou o atraso superior a duas horas para se integrar à atmosfera que proporciona o caldeirão sonoro da banda. Um som remetente à energia do rock and roll e a uma brasilidade genuína, transitando de modo confortável entre referências aparentemente dispersas.
Já na terceira ou quarta canção, emendada com a tal habilidade peculiar aos artistas e grupos dedicados ao instrumental, até os menos afeitos ao estilo mostravam-se em sintonia com a variação rítmica impressionante. É o jazz invadindo o espaço. É, por conseguinte, a bossa nova. É o percurso de uma flauta surpreendente e bem-aventurada, que enriquece harmonias sólidas e expansivas em sua essência básica. Mais uma vez, a linguagem dos acordes prova-se universal, ainda que, uma vez tão capaz de atingir nosso espírito, não necessite de ratificações cabais.
Quando a banda acaba de anunciar sua última música, impossível não notar quão curta foi a apresentação. Ainda mais improvável é fechar os olhos para a maturidade de quatro músicos jovens. Se a juventude contribui com a espontaneidade, o talento demonstrado na incorporação de influências e no domínio dos instrumentos reserva à Banda de Joseph Tourton um lugar especial no cenário brasileiro independente. E deixa-nos, então, a certeza de que coisas boas circulam à espera de chegar aos nossos ouvidos.

Segunda banda da noite, Clube de Patifes não demorou a entrar no palco. Caracterizar um show desse ícone local do blues-rock significa, para a maioria, descrever o óbvio. A propriedade do repertório, a desenvoltura e a competência são algumas das qualidades que explicam o porquê de o grupo sempre conquistar aqueles que já o conhecem de longa data. À medida que as apresentações se repetem, as reações positivas do público correspondem. Pablues (vocal e gaita), Jo Capone (baixo), Paulo de Tarso (bateria), Stephen (atualmente na guitarra) e seus respectivos pais, lembrados pelo vocalista ao citar os integrantes, jamais deixarão de ser bem-recebidos.
No set list, canções dos dois álbuns de estúdio – Do Palco ao Balcão e Com um Pouco Mais de Alma. "Mulher de Repente", uma das preferidas da plateia, figurou na abertura, ao passo que "Caminhos de Cruz" apareceu no encerramento ao lado de "Roadhouse Blues", do The Doors. No mais, uma versão do Trio Nordestino deu conta das influências regionais corriqueiras da banda. Canções como "Um Dia Blue", por sua vez, reafirmaram a conexão com a expressão original do blues. Expressão esta muito mais próxima da nossa realidade do que se costuma pensar.


Depois da meia-noite, a Falsos Conejos retomou a proposta instrumental e ofereceu ao público uma apresentação marcada por linhas de baixo em destaque, timbres melodiosos, distorções e um peso constante. Algo que ultrapassa o rock e estabelece fronteiras com a psicodelia, o jazz e até coisas mais inorgânicas, por assim dizer. Existe um quê de sombrio na sonoridade um tanto virtuose dos argentinos. Tamanha singularidade é possivelmente responsável pelo prestígio de seu desempenho ao vivo em Buenos Aires, tendo sido eleito um dos dez melhores shows independentes da capital.
É importante lembrar que a presença da banda em Feira de Santana foi viabilizada pela Turnê Fora do Eixo. Ao lado da Joseph Tourton, o trio encara uma maratona de shows quase equivalente à média de um por dia. Aproveita, também, para divulgar o álbum YYY, lançado em outubro último. Os pontos fortes conferidos no registro de estúdio se reproduzem ao vivo, inclusive o baterista que se sobressai gradativamente até ditar um ritmo enlouquecedor. A isso, acrescenta-se o poder de interatividade de um grupo que quase consegue a façanha de tornar-se espectador de si próprio. É a impressão que nos fica inevitável ao assistirmos a músicos entregues àquilo que produzem, dispostos a senti-lo instantaneamente.
Ao final, baixo e bateria passaram a se guiar por um desfile de bases e solos em altíssima velocidade. Baixo, guitarra e bateria. Precisamos de algo mais? A Falsos Conejos, numa despedida inesperada e lamentada, respondeu que não. Resta-me apenas estar de acordo.

A Cidadão Dissidente, de inspiração punk até no nome, começou prestando seu tributo aos Ramones. “I don't care about this world/ I don't care about that girl I don't care”. Em seguida, menção ao rock nacional com “Que País É Este”. Nenhuma mudança nos acordes, obviamente. A cartilha “do it yourself”, afinal de contas, é a mesma em qualquer lugar: letras de protesto, seja em tom de engajamento ou em tom de indiferença. Consideremos que a banda passeou pelos dois extremos em, no máximo, três minutos. O bastante para contentar o público. Dinossauros progressivos que me perdoem, mas isso não é para qualquer um.
Entre covers da fase inicial dos Titãs, do fugaz RPM e do Ultraje a Rigor, uma série de canções autorais em que percebemos uma maneira peculiar de gritar contra. Não se trata de denúncia puramente social, mas de uma reflexão direta sobre as circunstâncias de uma condição individual angustiante – tema exposto no clipe oficial de "Anjo Atormentado", no qual devo elogiar a produção e o desenvolvimento bem-sucedido de uma ideia por meio de recursos simples.
A presença de palco, conforme é do conhecimento de todos os que acompanham a Cidadão Dissidente, é uma atração a mais. Na última música, boa parte do público aproximou-se para aproveitar os instantes derradeiros da Ressaca e a agitação que somente o rock and roll em seu estado mais primitivo pode oferecer.

Por Ana Clara Teixeira















LISTA AMIGA

Encerrada as Incrições na Lista Amiga. Proximo Evento do Coletivo ela volta.Obrigado!

Falsos Conejos (ARGENTINA)



O Falsos Conejos, grupo instrumental experimental, nasceu em Buenos Aires, Argentina, em 2006. Pós-rock, math rock e outros termos semelhantes (que os seus integrantes não estavam conscientes no momento de delinear as suas músicas) são muitas vezes utilizados para descrever o som da banda. É um som forte e intenso, aproximado do rock e, às vezes, parecido com jazz, dub e a própria música regional de Buenos Aires.

Recentemente, o trio disponibilizou seu terceiro disco, "YYY", para download gratuito pelo Compacto.REC, projeto de distribuição virtual em rede, e está em meio à turnê de divulgação deste novo trabalho pelo Brasil, uma maratona de 20 shows em 29 dias.

Assista: Clipe da Música "Villazon"






DIA06 DE NOVEMBRO EM FEIRA DE SANTANA

LOCAL: ARTBRASIL
RUA LAZARO LUDOVICO - SERRARIA BRASIL - Nº090

BANDAS: FALSOS CONEJOS
JOSEPH TOURTON
CIDADÃO DISSIDENTE
CLUBE DE PATIFES

VALOR; R$ 10,00

Feira Noise Festival – 1° Dia

Era 21 de outubro, o dia estava chuvoso, a previsão do tempo dizia que seria um fim de semana molhado e o coletivo estava tenso pois no dia seguinte começava o Feira Noise em sua 2ª Edição. O local de realização dos shows era o Teatro de Arena do Amélio Amorim, um local lindo, com uma arquibancada em forma de concha que ser ergue diante do palco, definitivamente o melhor lugar para se realizar o evento, mas por ser local aberto gerou preocupação tanto da produção quanto do público, que a toda hora nos enviava emails e mensagens procurando saber se seria realizando dentro ou fora do CCAAm. Sexta-feira amanheceu nublado, e a dúvida pairava ainda no ar, faríamos os shows dentro do teatro, ou manteríamos a programação? Mesmo com o dia nublado resolvemos acertadamente arriscar, e já próximo das 19 horas a lua brilhava como num aviso de que tudo correria bem.
As 19:30 iniciou-se a mesa de abertura, poucas pessoas estavam presentes, basicamente os convidados da mesa, Vereador Marialvo Barreto, o membro do conselho de cultura do município Sílvio Portugal, Paulo de Tarso (Feira Coletivo), Aloma Galeano (Representante de cultura da região Portal do Sertão), o historiador e capoeirista Bel Pires, Celly Rodrigues (representando teatro), Paulo Costa (Música), Marcelo Lima autor do quadrinho que conta história de Lucas da Feira e mais alguns convidados que estavam interessados na discussão. O primeiro tema proposto, diagnóstico da cultura em Feira de Santana foi revelado já neste primeiro momento com um número tão pequeno de participantes de uma discussão tão importante. O debate se encerrou as 21:30, compromisso que foi assumido pelo Feira Coletivo foi o de ser um incentivador na formação do Fórum Municipal de Cultura com intuito de ampliar a discussão e exigir da gestão pública maior engajamento na produção cultural da cidade, em todas as camadas da cadeia produtiva.
O público começava a chegar timidamente quando às 10 horas a banda convidada Jah People iniciou o seu show levando o que há de melhor do reggae produzido em Feira de Santana, mostrando que a cena é forte e o bairro Rua Nova conhecido por ser o berço do estilo na cidade continua produzindo nomes promissores. Em seguida a banda que subiu ao palco foi a Calafrio, tanto ela quanto a Jah People foram convidas na semana do evento, para suprir alterações na grade que ocorreram por motivos de força maior. Calafrio é uma banda já experiente e fez um show com músicas do seu ultimo EP basicamente, a banda se apresentou com novo baterista, Ítalo, que foi um dos bateristas fundadores da antiga LP & os Compactos.

A banda seguinte foi o Clube de Patifes, a banda já é bastante conhecida do público e fez um show bem curto, apenas 7 músicas, o quarteto agora era composto por novo guitarrista Renato Moss (Cosmopolita / A Seiva) que se saiu muito bem em sua primeira apresentação e arrancou vários aplausos da platéia. Clube de Patifes é uma das bandas mais engajadas do cenário baiano e vem junto ao Feira Coletivo transformado o cenário cultural da cidade, todos os membros, inclusive o novo guitarrista trabalharam duro na realização do festival nos 3 dias, e tem estado presente em todas as ações do coletivo.


O atraso inicial não comprometeu o decorrer do evento que fluiu muito bem em sua primeira noite que se encerrou com uma das melhores bandas que se apresentaram no festival, Os Reis da Cocada Preta, banda paraibana que acabou de lançar novo disco e entra em turnê em Novembro. Fizeram um show perfeito, mostrando que a banda está mais do que pronta para circular pelo país. Já passava de 1:30 da madrugada quando se encerrou o primeiro dia do Festival, que muito prometia para os dois dias seguintes.

VÍDEO LANÇAMENTO DO DISCO FALSOS CONEJOS

Compacto REC - Falsos Conejos "YYY" from Falsos Conejos on Vimeo.

TURNÊ INTERNACIONAL PASSA POR FEIRA DE SANTANA

Fora do Eixo realiza maior turnê brasileira com presença de banda internacional
Desde que o projeto começou, no fim do ano passado, suas turnês alcançaram dezenas de cidades e colocou mais de 15 bandas para se apresentarem pelo país.
A Turnê Fora do Eixo, projeto de circulação de artistas do Circuito Fora do Eixo, põe na estrada nestes meses de outubro e novembro a banda argentina Falsos Conejos ao lado do grupo pernambucano A Banda de Joseph Tourton. Esta já é a maior turnê que a rede Fora do Eixo já realizou, com 34 datas agendadas em um intervalo de 43 dias, passando por dez estados: Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Bahia, Pernambuco, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Sergipe.
O primeiro show da turnê acontece no interior de São Paulo, em Araraquara. Depois, as bandas seguem para a capital paranaense eretornam ao interior paulista, com shows até o fim de outubro. No mês seguinte, Falsos Conejos e A Banda de Joseph Tourton invadem Minas Gerais e o Nordeste brasileiro, com mais de 15 apresentações nas duas regiões, com passagem por quatro festivais importantes: 4º CONTATO em São Carlos (SP), Jambolada em Uberlândia (MG), DoSol em Natal (RN) e Festival Mundo em João Pessoa (PB).
Turnê instrumental
O trio Falsos Conejos compõe rock experimental e psidodélico desde 2006, com influências de post e math-rock. No ano passado, o show dos Conejos foi eleito um dos dez melhores pela imprensa musical independente de Buenos Aires. Na tour, a banda apresenta “YYY”, disco lançado no início deste mês através do Compacto REC - projeto mensal de distribuição virtual de músicas, produzido colaborativamente pela Fora do Eixo Distro.
Ao lado dos argentinos, quem se apresenta são os recifenses A Banda de Joseph Tourton, fundindo jazz, rock, guitarras distorcidas, música brasileira e toques eletrônicos. O quarteto divulga na turnê o seu disco de estreia realizado através de recursos do Programa Petrobrás Cultural. O disco conta com a produção de Felipe S. e Marcelo Machado do Mombojó e teve participações especiais de Vitor Araújo, Guizado e integrantes do Móveis Coloniais de Acaju.
Turnês Fora do Eixo
O projeto de organização de turnês da Rede Fora do Eixo teve início em dezembro de 2009. No decorrer do ano, conseguiu-se firmar como um dos principais projetos de circulação e viabilização de rotas integradas de shows, reunindo diversos produtores, comunicadores, casas de shows, coletivos e artistas.


SHOW EM FEIRA DE SANTANA: DIA 06 DE NOVEMBRO
ONDE? ARTBRASIL
QUANTO? R$ 10,00

NOSSO FESTIVAL TÁ CHEGANDO!!



Todas as informações você encontro no site do Festival: http://www.feiranoisefestival.com.br/

III CONGRESSO FORA DO EIXO

Durante sete dias, de 11 a 16 de outubro de 2010, na cidade de Uberlândia (MG), o evento irá promover debates sobre temas ligados ao universo da cultura brasileira, entre eles, economia criativa, artista e mercado musical, tecnologia social, empreendedorismo e economia solidária.
O Congresso acontece durante o Festival Jambolada, filiado à Abrafin – Associação Brasileira dos Festivais Independentes, reunindo diversos agentes culturais representantes de pontos fora do eixo situados nos mais variados estados brasileiros.
O III Congresso Fora do Eixo foi um dos projetos contemplados pela seleção pública de debates presenciais do Programa Cultura e Pensamento 2009/2010, realizado pela FAPEX e Ministério da Cultura, com patrocínio da PETROBRAS.
PROGRAMAÇÃO
Toda a programação será transmitida ao vivo no portal Cultura e Pensamento e pelo sitehttp://foradoeixo.org.br/congresso.
Feira de Santana estará sendo representada no COngresso pelo Feira Coletivo. Somos candidatos a ponto Fora do Eixo.

A Semana Rede Motiva Continua


mail.jpg



Na QUARTA-FEIRA (amanha), haverá a apresentacao do LABORATÓRIO que irá tratar do desenvolvimento do mercado, técnicas para criação, comercializacao de produtos (físico, digital, shows) e estratégias de distribuicao e marketing.

Na QUINTA-FEIRA (16) das 14h às 17:30 haverá uma MESA REDONDA com a participação de parceiros para discutirmos um pouco mais sobre as redes.


Tema: Trabalho em rede, mercado,difusao e sustentabilidade. Participacao de representantes de algumas das entidades que compoem a Rede Música Bahia e atuam no mercado da música em Salvador.


Teremos como facilitadora a participacao de Lorena Coelho, representando a Diretoria de Economia da Cultura da Superintendência de Promoção Cultural da SECULT. Ela irá aproveitar a oportunidade para apresentar alguns dados relativos à economia da música na Bahia.


Participantes:

- Eric Taller (Rede Motiva / Núcleo de mercado difusao e sustentabilidade)
- Analu Franca- Representante da Cufa Itapuã
- Fernando Teixeira- Representante da IMA (Independencia Musica Associada)
- Cássia Cardoso- Representante do coletivo Quina Cultural/ Fora do Eixo na Bahia
- Lorena Coelho- Representando a SECULT(Diretoria de Economia da Cultura da Superintendência de Promoção Cultural da SECULT)


Convidem seus parceiros e colegas da música para participar desse debate!

REDE MOTIVA FEIRA DE SANTANA

rm_topo.jpg



A Rede Motiva integra o Conexão Vivo – iniciativa da Vivo voltada ao desenvolvimento
do setor musical brasileiro e tem apoio institucional da Secretaria de Cultura do Governo da
Bahia através do programa Faz Cultura, em parceria com o Feira Coletivo Cultural convida profissionais da música, artistas, produtores
e técnicos de Feira de Santana e região para participarem da

SEMANA DE INTEGRAÇÃO REDE MOTIVA
no:



SESC - FEIRA

Rua Guaratatuba 345 - Tomba - Feira de Santana

Tel.: (75) 3622-1077 / 3222-1550

Data: 13/09/10 à 17/09/10

Horário: 14 às 18hs(dia 15/09, das 16 às 20h)


Sobre a Semana de Integração:

Os participantes serão estimulados a construir redes de trabalho a partir dos seguintes
eixos motivadores: “Formação”, “Produção”, “Criação” e “Difusão e Sustentabilidade”,
que funcionarão de forma integrada no sentido de auxiliar cada um dos participantes
no processo de autogestão de suas carreiras.

Os conteúdos serão trabalhados a partir de eixos motivadores e de um diagnóstico
feito para apresentar alternativas de sustentabilidade e formas de empreendedorismo.
Os processos serão coletivos, portanto não haverá fórmula pronta a ser apresentada e,
sim, uma intensa troca de saberes e experiências que partirá das necessidades
específica de cada grupo participante.


Os laboratórios da Semana de Integração incluem:

1. Práticas que favorecem a capacitação e o empreendedorismo;
2. Ferramentas que auxiliem no uso favorável da tecnologia;
3. Fomento ao associativismo e ao cooperativismo;
4. Dinamização de práticas coletivas e solidárias;
5. Sensibilização para ações e articulações políticas;
6. Desenvolvimento de estratégias de difusão e de intercâmbio;
7. Logística de produção de espetáculos, entre outros.



    O projeto é realizado pela MIC (Música, Inovação e Conectividade), Ginga P. Culture
    Business e Maquinário, em quatro cidades baianas onde são realizados laboratórios na Semana
    de Integração, mostras de conteúdo no palco da Conexão Vivo, além da realização de Festivais
    integrados organizados pelos membros da Rede Motiva.


    Informe-se mais através do nosso portal www.redemotiva.com.br


    Qualquer dúvida entre em contato.


    Comunicação Rede Motiva

    Inscreva-se já: http://twixar.com/XwXO

    Feira Noise Festival Abre Inscrições para edição 2010

    Já foi dada a largada para a segunda edição do Feira Noise Festival 2010. O Festival da Princesa do Sertão. O Feira Noise é um festival de música, cultura e arte promovido pelo Feira Coletivo Cultural tendo como principal objetivo difundir a música independente em Feira de Santana. O evento nesta edição de 2010 já se estabelece como data importante no calendário cultural da cidade, que além de contar com mais de 20 artistas/bandas, vindos de diversas regiões do país, ainda terá em sua programação oficinas, palestras sobre produção cultural independente, debates sobre a produção cultural em Feira de Santana e interior baiano e exposição coletiva de artes visuais. O festival acontecerá entre 22 e 24 de outubro no Centro de Cultura Amélio Amorim.
    O que é música independente? O Feira Noise entende que a música independente é composta por artistas/bandas que tem um trabalho autoral e utilizam-se dos shows, vendas de CDs e principalmente da internet para fazer a divulgação deste trabalho, tudo isto feito sem o amparo das grandes gravadoras. Este cenário tem se organizado e se fortalecido cada vez mais no Brasil. Desta forma, assim como em outros festivais do gênero (Bananada/GO, Maionese/AL, Bigbands/BA, Boom Bahia/BA, Festival Dosol/RN), o Feira Noise aposta nos artistas que privilegiam o trabalho artístico criativo e de qualidade em detrimento dos formatos consagrados pela indústria fonográfica.
    O Feira Coletivo Cultural receberá inscrições para a participação de artistas/bandas, bem como para quem trabalha com Artes Visuais no Feira Noise Festival 2010. As inscrições são gratuitas e acontecem do dia 30 de Agosto a 12 de Setembro de 2010. Para se inscrever, os artistas/bandas devem preencher a ficha de inscrição disponível no blog do Feira Coletivo Cultural. Ao todo 08 (oito) artistas/bandas serão selecionadas para se apresentarem durante os dois dias do Festival.
    Para os Artistas Visuais o Feira Noise contemplará trabalhos de livre temática, nas seguintes modalidades: assemblage, cerâmica, colagem, desenho, design gráfico (ilustração, humor gráfico e quadrinhos), escultura, fotografia, grafitti, gravura, instalação, objeto, performance, pintura e tapeçaria. O proponente deverá preencher a fixa de inscrição atendendo as solicitações do edital, ambos em anexo, e enviar por email. O número de trabalhos selecionados dependerá das características físicas das obras inscritas, assim como do espaço do Centro de Cultura em questão.


    LINK PARA FORMULÁRIO DE INSCRIÇÕES DAS BANDAS: Encerradas

    EM BREVE: FICHA DE INSCRIÇÃO PARA EXPOSIÇÃO DE ARTES VISUAIS